Arquivo do mês: junho 2010

Sobre organização, mudanças e amor.

Fucei minhas gavetas, joguei fora fotografias, bilhetes e cartas. Arrumei tudo milimetricamente, otimizei espaços e ainda separei por cor. Organizei meus livros, tirei o pó, selecionei, descartei, planejei… os lerei. Separei os arquivos do computador por assunto e cada coisa está na sua pasta correta: Tem pasta para a Faculdade, para as fotos, para os que não se encaixam em nada (Diversas) e até para o passado (Lixeira). Fiz tópicos na agenda… os cumpri. Mexi na minha mesa de trabalho, joguei fora papéis velhos, resolvi pendências… ousei. Pedi desculpas… agora estou cumprindo cronogramas. Reli literatura velha e boa (Mentiras ao Vento, De Pano). Comecei a comer diferente… é até gostoso o arroz branco, a carne grelhada, as frutas e as saladas, TUDO JUNTO, tem sabor de saudável. Mas também tenho tomado cocas-colas ‘toda’… Cocas zero ;). Mudei o layout do blog. Tudo isso na tentativa de organizar as coisas aqui dentro. Os pensamentos, sentimentos e expectativass, que andam um pouco desorganizados. De vez em quando me vem uma saudade de comprar frango e sabão em pó, sabe?.. Daí vem você e sonha comigo. Você que abre a porta do carro e me chama de linda. Daí vem você e consegue enxergar o que está por trás das formas. Que formas? Vem você que pega na minha mão, abraça, beija e mostra que vale à pena e eu costumo apostar em coisas que valem à pena. Vem você que aposta mais alto, sem medo de perder. Vem você com mais manias de organização do que eu, de sonhos mais altos, de comida mais saudável… Vem você que também toma cocas-colas ‘toda’ e sem ser zero. Vem você que também gosta de literatura velha e boa (Estica e Puxa, Nem ‘PIF. Nem ‘POF’. ‘PIF POF’, 17 de Dezembro de 2009).Vem você que também é bom em informática e me mostra que o melhor mesmo é usar Shift DEL, que não tem como restaurar depois.

Daí vem você.

Vem você.

Você.

Que me faz sorrir um sorriso mais feliz, mais bonito e mais sincero.

Imagem tirada daqui.

Anúncios

Psiu!!!!!!!!!!!!

– Muié essa semana nós compremos uns milhero de tijolo para nós alevantar a nossa casinha. Nós mora agora perto da lagoa, num vão.  Mas nós vai  fazer uma casa com dois vão e tamo é rico, vamo alevantar até banhero. Nós ganhemos cinquenta pau num bico lá, deu pra comprar arroz e mistura pra semana todinha. Lá num tem luz, nem água. Mas nós pega água na lata e a gente tem uma lamparina véia. É bom demais lá. Tem uns carro dos Omi da Política que passa e leva as criança pra estudar, vão ser tudo doutor. Lá num tem bandido, nós é tudo trabalhador, nós num fala mal de ninguém, nós  é amigo, nós sabe respeitar…

Ultimamente, tenho procurado este lugar, por que onde eu moro as pessoas têm casas bonitas, com água encanada, energia elétrica  e todo o luxo que o dinheiro pode trazer; têm carros e empregos bons; têm comida boa e saudável; as crianças vão ser realmente doutores … E falam articuladamente bem, respeitando a concordância verbal, nominal e todas as regras da gramática, mas não respeitam o vizinho, não sabem ser amigos… Falam tão bem, que falam demais…

“Falam de tudo. Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzisses, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam.” (Nelson Rodrigues)


Se tiver de ser.

Branco? Não. Enjoei. Se tiver de ser, vai ser de rosa claro. Vai ser numa tarde amarelada e na primavera. As rosas serão naturais, colhidas na hora e coloridas, escolhidas conforme o meu humor do dia. Tenho pra mim, que terão tom de feliz. Os cabelos serão soltos, despojados, ao vento. Se tiver de ser, a minha voz, hoje, tão enfática dizendo que não, que nunca mais, vai ter cor de sim, de azul, de paz, de pra sempre. Então correrei em direção a você, ao som de alguma música do nosso gosto e não me preocuparei com as formalidades, e nem como tem que ser, por que se tiver de ser, vai ser do nosso jeito, de cara limpa, de alma lavada, de sorriso na cara e carregando, mais uma vez, uma porção de sonhos, como sempre foi.

Talvez tenha troca de alianças, fotos e lembrançinhas. ♥


Em tudo ao meu amor serei atento.

De tantas formas, maneiras e situações esta frase tem combinado com a gente.

E mesmo não gostando muito de combinações, eu devo confessar que eu adoro as que você faz.

Hoje teve até uma embalagem para presente mais do que SHOW.

O conteúdo tem um formato de coração, fazendo com que o meu batesse mais forte.

Foi de uma maneira tão inusitada e inesperada.

Já não era nem mais o grande dia, o ponteiro já passava da meia noite.

Mas a situação foi propícia, tudo conspirou tão a favor que eu, mais uma vez, adorei.

Não tinha como ser diferente, pensando bem, até combinaria com o tão sonhado pedido.

Mas quer saber de uma coisa? Não precisa de formalidades não, eu já me entreguei e você sabe disso, aliás, nós sabemos, nós vivemos, nós sorrimos, nós somos felizes. NÓS. É o bastante.

Dá pra ver nos meus olhos e no meu sorriso o quanto você me faz bem e eu também consigo ver nos teus olhos e sorriso o que eu também provoco em você. E é gostoso de ver.  Há reciprocidade.

Eu poderia até dizer aqui todas as coisas maravilhosas que você me faz.

As coisas que você diz.

E o que você me faz sentir.

Mas não tem necessidade.

É só nosso.

É o que dar o sabor do CACAU, provocando um gosto de quero mais.